Baixo núm. de procurações pode prejudicar demitidos da Abril


BAIXO NÚMERO DE PROCURAÇÕES PODE PREJUDICAR DEMITIDOS DA ABRIL

 

Enquanto isso, outros grupos de credores da editora, como os bancos, atuam em peso. Prazo final para fazer a procuração termina quarta-feira

 

Até esta quarta-feira (10), as centenas de gráficos demitidos pela Editora Abril, sem o recebimento total de seus direitos e verbas rescisórias, devem enviar para o Sindicato da classe (STIG-SP) sua procuração para que o advogado da entidade (Raphael Maia) os represente na assembleia dos credores da Recuperação Judicial da empresa, que será realizada na próxima 2ª feira (15). Os jornalistas, administrativos e os distribuidores devem fazer o mesmo. Sem a procuração para que o seu sindicato possa lhe representar, independentemente do valor que o gráfico tem a receber, seja pouco, médio ou muito, os encaminhamentos para receberem podem ficar prejudicados, diante da ausência e também da maior participação e poder de decisão de outros grupos de credores que a Abril também deve.

Na 1ª assembleia dos credores que aconteceria na semana passada, por exemplo, que é composta por quatro grupos distintos, onde o trabalhador é apenas um deles, nada pode evoluir porque 58% de todos os demitidos, incluindo gráficos, jornalistas, administrativos e distribuidores, não foram e não puderam ser representados pelo jurídico dos sindicatos porque todas as procurações não foram enviadas em tempo. Uma nova chance foi dada para que sejam feitas até esta quarta. O STIG já possui 113 procurações. A quantidade precisa elevar para que a entidade tenha força na defesa. Os trabalhadores que já fizeram as procurações não precisam outra vez.

Enquanto o grupo de trabalhadores estavam em um número de 32% na 1ª assembleia de credores da Abril, os grupos que representam os bancos e outros setores estivem em peso lá, entre 100% e 87% respectivamente. Portanto, é fundamental que os trabalhadores façam as procurações até quarta-feira. Devem fazê-las inclusive aqueles demitidos que receberam 70% das verbas rescisórias, pois continua faltando os 30% a receberem. Também devem fazer todos aqueles que só receberam R$ 15 mil quando a dívida é bem superior diante das décadas de trabalho nesta empresa.

Em comunicado conjunto das categorias profissionais afetadas, é alertado que todos os trabalhadores precisam fazer um esforço muito grande de ter o maior número possível de procurações ou (então) se fazer presente na assembleia do próximo dia 15 no Hotel Pestana, localizado na Rua Tutóia, nº 77 – Jardim Paulista, São Paulo-SP. “Esta será uma ação muito importante de nos mobilizarmos para buscar garantir os nossos direitos”, realçam Raphael Maia, advogado do STIG-SP e do Sindicato dos Jornalistas, e Leonardo Del Roy, presidente da Federação Paulista dos Gráficos (FTIGESP). A LUTA CONTINUA #PAGACIVITA!!!

 

 

Fonte: ftigesp